Posts Tagged ‘aubert de villaine’

Mestres da Borgonha

10 de Dezembro de 2019

Todos sabem a importância que um produtor tem na Borgonha, sobretudo em vinhos mais artesanais. Cada uma das principais comunas da Côte d´Or tem suas estrelas, verdadeiros especialistas em determinados terroirs. Entretanto, há um trio praticamente imbatível que pela grandeza de seus vinhos, marcaram seus nomes na história definitivamente. São eles: Henri Jayer, Madame Leroy (Domaine Leroy e Auvenay), e o emblemático Aubert de Villaine (Domaine de La Romanée-Conti). Jayer, talvez o mais talentoso, não perpetuou seu trabalho diretamente após sua morte em 2006, mas os vinhos que ainda restam, são de uma profundidade a toda prova e altamente valorizados em leilões mundo afora.

Neste contexto, num agradável almoço na Osteria del Pettirosso, pudemos analisar lado a lado vários embates entre esses gigantes, numa experiência incrível cheia de prazer e emoções. O terroir da Borgonha foi certamente exaltado no mais alto grau de sofisticação, principalmente a comuna de Vosne-Romanée onde segundo dizem: não existem vinhos comuns …

a escolha de Solfia

Como na Borgonha os vinhos começam pelos brancos, dois domaines excepcionais abriram o almoço com extrema classe, Coche-Dury e Domaine Leflaive. Começando pelo Corton-Charlemagne Coche-Dury é bom lembrarmos a exclusividade deste vinho, apenas um terço de hectare (0,33 Ha). Esta safra 2010 é um dos mais perfeitos dos últimos tempos com 98 pontos. O vinho é de uma mineralidade incrivel, um frescor imenso, e um textura que lembra os grandes Chablis Grand Cru. Foi muito bem com o crudo de lagostins cobertos de ouriço (foto abaixo). Os sabores de maresia se infusionaram à mineralidade do vinho numa explosão de sabores.

pratos muito bem executados

Já num estilo de Beaune, mais denso, o belo Chevalier-Montrachet de Domaine Leflaive, uma de suas especialidades, na safra quente de 2006. São dois hectares de vinhas antigas num trabalho preciso de barricas. O vinho mostra um perfil exuberante em aromas denotando mel, compota de pêssegos, fino tostado, e algo cítrico. Um Chevalier mais denso que o normal, lembrando um pouco o terroir de Batard-Montrachet. De todo modo, uma textura rica e muito expansivo em boca. Foi muito bem com o arancini recheado de burrata (foto acima). Texturas muito harmoniosas de ambos. Pratos talentosos nas mãos do Chef Marco Renzetti.

f42d824a-b0d8-4836-a386-ca95b59263a3e agora José?

Este é um embate muito difícil, pois o DRC Echezeaux é o mais delicado do Domaine, indo de encontro ao estilo Jayer. Por outro lado, esta garrafa do Echezeaux 90 de Henri Jayer estava impecável, muito bem conservada, e pouco evoluída, dificultando ainda mais a decisão. Não que o Echezeaux DRC estivesse com algum problema, mas o Henri Jayer estava perfeito. Ao mesmo tempo que mostrava delicadeza, tinha uma força, um frescor, impressionantes. Dois Echezeaux de livro, mostrando toda a elegância deste terroir.

img_7092a vida não está nada fácil …

Agora mudamos o terroir, mas o nível continua altíssimo. O Richebourg DRC estava muito bem nesta bela safra 2002, mas deu azar de pegar um Richebourg Leroy quase perfeito com 97 pontos, sendo o melhor entre todos os Richebourg deste ano. O vinho explode em cerejas quase em licor, alcaçuz, e finas especiarias. Os dois vinhos apresentam ótimo potencial de guarda, embora no caso do DRC possam haver garrafas melhores. De todo modo, mais uma disputa sensacional.

img_7089evolução dentro do mesmo terroir

É claro que num primeiro momento, o Romanée-St-Vivant 90 parece ser uma escolha óbvia em termos de safra. No entanto, não tinha a mesma exuberância da dupla de Echezeaux de mesmo ano comentada a pouco. Já tinha seus toques de evolução denotando sous-bois, notas florais, e algo terroso, mas sem muita vibração. Já o RSV 2007 embora jovem, tinha muita energia, muita fruta, alcaçuz, e especiarias, vislumbrando uma boa guarda. É uma safra acessível e muito agradável de se tomar jovem. Requer evidentemente, algum tempo de decantação.

algumas das especialidades de Marco Renzetti

Para acompanhar estas maravilhas alguns dos pratos do Pettirosso. O risoto zafferano com tutano, prato extremamente saboroso e absolutamente al dente, bem à maneira italiana. Outro prato interessante foi a fregola com porco preto, tudo num caldo de sabores marcantes. Esse foi melhor com os exemplares mais jovens, mais vigorosos.

jovens e de evoluções diferentes

A diferença entre os dois DRCs acima além do terroir, lieu-dit, são as safras relativamente jovens para este naipe de vinho. Começando pelo Richebourg 2008, estava extremamente evoluído para a idade, mas ao mesmo tempo delicioso, sobretudo nos aromas. Todos os terciários desenvolvidos com sous-bois, mineral, especiarias, toques balsâmicos, notas de café, uma delicia. Em boca, taninos totalmente polimerizados, muito macio, mas não de final muito longo. Houve claramente uma aceleração no processo evolutivo desta garrafa com previsão de apogeu para 2043 na crítica especializada. 

Já no caso do Echezeaux 2011, evolução normal da garrafa com um vinho ainda muito jovem. Não está no topo da lista entre os melhores Echezeaux deste ano, mas é muito saboroso, equilibrado, com notas de frutas vibrantes como cerejas, toques florais e de alcaçuz. Deve evoluir por bons anos em garrafa, embora não tenha estrutura para uma longa guarda como acontece em safras mais destacadas. De todo modo, uma agradável promessa.

Moscato do sul da Itália

No final, tivemos a generosa doçura dos passitos italianos, especialmente este de Pantelleria, ilha pertencente à Sicília, bem próxima da costa africana. O solo é todo vulcânico na ilha com o cultivo da uva Zibibbo, mais conhecida como Moscato di Alessandria. As uvas depois de maduras, são colhidas e soleadas por algumas semanas em pedras vulcânicas, perdendo água e concentrando açúcares. Processo semelhante ao Pedro Ximenez nos vinhos andaluzes. Por sinal, os aromas intensos deste moscato lembram algo do Pedro Ximenez com toques de rapadura e bananada. Em boca, é menos untuoso que o PX, com doçura equilibrada e relativamente expansivo. Foi bem com a delicada Panna Cotta com calda de mel, encerrando o almoço.

Mais uma vez, meus sinceros agradecimentos a todos os confrades, sempre muito generosos. Pode ter sido nosso último encontro do ano, mas com essa turma nunca se sabe. Que 2020 seja repleto de eventos espetaculares como este e que a presença dos confrades seja maciça. Abraço a todos! 

Romanée-Conti: Terroir em evolução

20 de Maio de 2013

Atravessar um milênio não é tarefa fácil para qualquer vinho, mesmo para os grandes vinhos. A trajetória deste mito através do tempo, desde a época do príncipe Conti, embora o vinhedo já existisse há séculos, sofreu transformações importantes, acompanhando a evolução inexorável dos vários períodos da história da Borgonha. Digo isso, porque parece que os grandes terroirs franceses são imutáveis, dando a impressão que nada  evolui através do tempo, e que tudo é passado de geração à geração, sempre da mesma forma.

Última safra com parreiras pré-filoxera

A última grande transformação ocorreu na safra de 1945 (o ano da vitória – segunda guerra mundial). Foi a última safra elaborada com parreiras não reconstituídas, ou seja, vinhas originais francesas, pré-filoxera. É um dos grandes Romanées da história, contando apenas com seiscentas e oito garrafas produzidas sob rendimento ínfimo de 2,5 hectolitros por hectare. As vinhas estavam praticamente destruídas, com produção à míngua. Com o replantio das vinhas, não houve Romanée-Conti nas safras 1946, 47, 48, 49, 50, e 1951. Cuidado com as falsificações!

 Época

 Uva Branca  Maceração

 Madeira

 Prince de Conti

 20%  12 a 36 horas

 3 anos

 Julien Jules

Ouvrard

 6%  4 a 5 dias

 4 a 5 anos

 Tempos atuais

 0%  2 a 3 semanas

 18 a 24 meses

Um vinho de acordo com seu tempo

Conforme quadro acima, o Romanée-Conti elaborado na época do príncipe continha vinte porcento de uva branca (Pinot Blanc e não Chardonnay). A maceração das cascas durava apenas horas, praticamente um rosé. Posteriormente, o vinho passava cerca de três anos em antigos tonéis antes de ser consumido. À época, um vinho de cor clara, de certa diluição e com notas oxidativas, era altamente valorizado e apreciado. Bem diferente dos tempos atuais, onde o vinho possui cor, concentração e estrutura para envelhecimento.

Numa escala milenar de tempo, esta transição levou séculos. Só em 1845, metade do século dezenove, houve a redução de vinte para seis porcento na utilização de uvas brancas, mas o tempo em madeira permaneceu demasiado. Contudo, antes do início do século vinte, as castas brancas foram abolidas, o tempo de maceração aumentou e o amadurecimento em barricas novas de carvalho ganhou força. 

Aubert de Villaine, o atual guardião deste terroir, começou a trabalhar no Domaine em 1953, assumindo a gerência com a morte de seu pai. Adotou a partir de 1986 uma rigorosa cultura orgânica em suas vinhas. O judicioso plantio em substituição de antigas vinhas é executado com alta densidade no vinhedo com números chegando a quinze mil pés por hectares (acirrada competição entre as parreiras em busca da melhor qualidade de seus frutos). 

A última investida do Domaine foi a aquisição de vinhedos Grands Crus em Aloxe-Corton. São pouco mais de dois hectares de vinhas repartidas em três climats (termo específico para designar o terroir borgonhês): Clos du Roi, Bressandes e Renardes. É bom lembrar que estes tintos  estão localizados na montanha de Corton (vide artigo sobre o tema neste mesmo blog), pertencente à Côte de Beaune, e referem-se ao único Grand Cru tinto desta sub-região afamada pelos melhores brancos da Borgonha, quiçá do mundo. A primeira colheita foi realizada com a bela safra de 2009. Com esses requisitos, mais uma comuna da Côte d´Or pode ganhar status diferenciado com a presença do mítico Domaine. Vosne-Romanée que o diga ao longo dos séculos: “Em Vosne, não existem vinhos comuns”.

Cros Parantoux Henri Jayer: Parte II

14 de Junho de 2012

Alguém já disse: “A comparação é cruel”. Esta frase resume bem o embate entre algumas safras do lendário Cros Parantoux de Henri Jayer e o mítico Romanée-Conti do sóbrio Aubert de Villaine. Terroir é um conceito mais que apropriado para este artigo, é absolutamente obrigatório. Um de seus pilares faz menção ao homem, além do solo, clima e uvas (no caso somente Pinot Noir). E este homem, Henri Jayer, faz toda a diferença.

Provar qualquer um destes vinhos isoladamente é sempre um momento de contemplação. Qualquer um beberia algumas taças com enorme prazer. São verdadeiras obras de arte. Entretanto, ponderei muito antes de escrever este artigo, mas a realidade obriga-me a dizer algumas frases quase insensatas. Pela primeira vez, algo que jamais imaginei, senti algumas taças de Romanée-Conti incomodadas, constrangidas e até num grau de insensatez maior, humilhadas, frente à sublime delicadeza do Premier Cru Cros Parantoux, o qual Jayer nunca se importou com a classificação. A simples menção de seu nome bastava.

Como tratava-se de safras antigas (85, 86, 87, 88, 90, 91, 93 e 95), não existem grandes safras e sim, grandes garrafas. Neste contexto, a garrafa de Cros Parantoux 1988 estava incrivelmente espetacular. Todos os descritores aromáticos de um grande borgonha estavam alí, principalmente sous-bois, rosas e caça. A delicadeza, a personalidade e  força deste terroir fundiam-se maravilhosamente com taninos de rara textura. Como algo tão delicado, aparentemente frágil, pode resistir por 24 anos. E não estou falando em final de linha, pelo contrário, mostra-se num platô seguro, com bons anos pela frente. É a magia dos grandes vinhos!

De um modo geral, todos os vinhos estavam bem conservados, exceto Cros Parantoux 1985. Um pouco cansado, reforçado pelo baixo nível de líquido na garrafa. As safras de 91, 93 e 95 foram um conpleto infanticídio. Vinhos ainda fechados, com taninos muito presentes, faltando a perfeita integração entre seus componentes que só o tempo é capaz de proporcionar. As safras de 85 e 90 confirmaram sua superioridade, chegando próximas à perfeição. A menos emocionante foi a safra de 86 com vinhos elegantes, mas não tão expansivos. Já 1987 é uma safra hedonista, com vinhos maduros, bem acabados e num bom momento para serem apreciados. Um ano polêmico como 1988, surpreendeu favoravelmente, com taninos evoluindo muito bem e proporcionando a devida estrutura para uma boa longevidade. Qualidade muito próxima à granda safra de 1990.


%d bloggers like this: