Posts Tagged ‘argentina’

Mendoza: Regiões

12 de Agosto de 2013

Guardada as devidas proporções, Mendoza está para a Argentina, assim como Califórnia está para os Estados Unidos. Região de grande produção e qualidade, acima da média das demais. Entretanto, foi-se o tempo em que vinhos de Mendoza eram um só pacote. A área está dividida em sub-regiões entre as quais, três destacam-se no cenário abaixo ilustrado: Região Leste, Região Central e Valle de Uco.

map-regions

Mendoza: fatores de solo e altitude

O clima mendocino é explicado com o esquema abaixo, mostrando a insolação eficiente, o baixo índice pluviométrico e a compensação da altitude. Aliás, artigos anteriores deste blog tratam de Chile e Argentina sob os títulos: Terroir Chileno e Terroir Mendocino.

Lluvias Anuales

Mendoza: região seca, quase desértica

Voltando ao primeiro mapa, vemos a cordilheira dos Andes ao fundo. Das três zonas mais nobres de Mendoza, a zona Leste, mais longe da cordilheira e com menor altitude média é a mais produtiva, elaborando vinhos bastante frutados, macios, mas sem grande complexidade. Os departamentos desta zona que podem estar mencionados nos rótulos dos vinhos ou em suas respectivas fichas técnicas são: Rivadavia, San Martín, La Paz e Santa Rosa.

Na chamada zona Central de Mendoza, mais próxima à cordilheira e com maior altitude média, temos os famosos departamentos de Luján de Cuyo e Maipú. Os solos são mais pobres e pedregosos e com boa área plantada de vinhas antigas. Enquanto aqui podemos ter altitudes de mil metros, na zona Leste não passa de setecentos metros em relação ao nível do mar.

Mendoza: Supremacia na produção argentina

Ao sul da zona Central e com vinhedos mais próximos à cordilheira, chegamos à nobre zona do Valle de Uco com departamentos famosos como Tupungato, Tunuyán e San Carlos. Aqui estamos falando em altitudes de mil e duzentos metros ou mais. O clima é mais fresco e as noites são mais frias, proporcionando alto nível de acidez nas uvas. A maturação das uvas tintas é lenta, fornecendo uma bela estrutura fenólica (taninos e antocianos). Os solos são bastante pobres, bem drenados e com alto teor de pedras.

Além da diferenciada altitude entre estas três zonas principais, os solos têm papel fundamental na qualidade e concentração das uvas. Na zona Leste, os solos apresentam tendência arenosa, certa salinidade e pouco material pedregoso. Na chamada zona Central ou zona Alta do rio Mendoza, temos solos franco-argilosos com grande proporção de material pedregoso (canto rodado ou pedras arredondadas) de grande capacidade de drenagem. Por último, Valle de Uco apresenta solos com areia grossa, limo (solo com granulosidade entre areia e argila) e grande quantidade de pedras, proporcionando excelente drenagem.

As chamadas zonas Norte e Sul, fora do mapa inicial, não merecem um estudo mais detalhado. São áreas com solos impróprios, altitudes e temperaturas inadequadas para uvas de grande qualidade e concentração.

Consumo Mundial de Vinhos

22 de Abril de 2013

Segundo dados recentes, parece que o consumo mundial de vinhos tende a estabilizar em torno dos duzentos e cinquenta milhões de hectolitros anuais, conforme tabela abaixo.

França e Estados Unidos: disputa acirrada

A França continua puxando a fila, mas os Estados Unidos parece que tomou conta do segundo lugar, embora seja um país de dimensões continentais. Itália e Espanha continuam descendo a ladeira, enquanto os demais apresentam certa estabilização. A China ainda consome pouco em termos absolutos, mas qualquer centésima porcentagem de sua população que resolver tomar vinho é sempre um potencial altamente considerável.

França e Portugal: mantendo as tradições

O consumo per capita conforme tabela acima, mostra França e Portugal com bastante força, mesmo que em algumas décadas atrás, estes números giravam em torno de cem litros anuais por habitante. Itália e Argentina ainda mantêm bons números de consumo, os quais já foram bem melhores num passado não muito distante. A China é um gigante por enquanto adormecido. Entretanto, se seus atuais 1,3 litros/habitante passarem a somente 3,0 litros/habitante, este país será com folga o maior consumidor mundial de vinhos. Nosso Brasil, não é de hoje, luta para ultrapassar a marca de dois litros anuais por habitante. E dá-lhe cerveja pessoal!

Terroir Mendocino

15 de Setembro de 2010

 

Particularidades de Mendoza

A província de Mendoza lidera com absoluta supremacia qualquer pesquisa vitivinícola da Argentina. Seja em variedades de uva, produção e principalmente qualidade, o terroir mendocino oferece inúmeras opções, e vem sendo descoberto e explorado pouco a pouco. Provar um Malbec de Mendoza não é algo genérico. É preciso identificar a microregião e quando se trata de vinhos de corte, mais uma variável entra em ação.

A pioneira neste estudo de precisão das peculiaridades de Mendoza foi a bodega Catena com vinhos muito bem elaborados em qualquer faixa de preço. Mesmo quando se trata de uma única uva, no caso, a Malbec, o Catena Malbec-Malbec sugere um corte de Malbecs de regiões distintas dentro do terroir mendocino.

O vinhedo argentino, sobretudo em  Mendoza, é calibrado basicamente em níveis de altitude. O clima é seco e continental, influenciado de modo marcante pela cordilheira dos Andes. O nível pluviométrico é praticamente desértico, com 200 mm anuais em média. Didadicamente, a linha Terrazas da Chandon, soube mostrar seus varietais de acordo com a altitude adequada, tanto para os brancos, como para os tintos.

De acordo com o mapa acima, os vinhedos mais a oeste, próximos à cordilheira dos Andes, ganham em altitude, entre 1100 e 1500 metros. Portanto, os dias são ensolarados e as noites frias, com grande amplitude térmica. Esses fatores alongam o ciclo de maturação das uvas, gerando vinhos elegantes e estruturados. Valle do Uco, incluindo Tupungato, é um dos grandes terroirs para Malbecs elegantes. Para os brancos de destaque, este terroir torna-se imprescindível. Não é por acaso, que o Catena Alta Chardonnay é o melhor branco argentino e porque não, da América do Sul, se levarmos em conta seu preço, menos de cem reais, atualmente. Seu vinhedo Adrianna a 1500 metros de altitude em Tupungato, são alguns de seus segredos.

Outro destaque da Catena, é o excepcional Catena Zapata Estiba Reservada. Muita gente toma este vinho pensando ser um grande Malbec. Na verdade, é 100% Cabernet Sauvginon, e que Cabernet Sauvignon! Sem dúvida, o melhor da Argentina, além de sério concorrente para os grandes Cabernets chilenos. Aqui novamente, a precisa calibragem dos vinhedos mendocinos. No caso, são três vinhedos: La Piramide, Domingo e Adrianna. O primeiro pertence a Agrelo, excepcional terroir para Cabernet Sauvignon, com solo pedregoso e altitudes ideais para esta casta (abaixo de 1000 metros). O segundo e terceiro vinhedos ficam em Tupungato, em altitudes de 1100 e 1500 metros, respectivamente. Essas parcelas fornecem a elegância tão benvinda dos vinhedos de altitude, mesclada à potência e profundidade do terroir de Agrelo. Resultado final, um equilíbrio fantástico!

Para os vinhos de corte, a Malbec combinada com uvas como Cabernet Sauvignon, Tempranillo ou Merlot, ganha profundidade e certa longevidade. Pessoalmente, a ordem das uvas acima citadas, fornece melhores resultados de forma decrescente. Os exemplos mais emblemáticos seguindo esta mesma ordem de corte são Cheval des Andes, Zuccardi Zeta e Trapiche Iscay. Respectivamente, são importados pelo grupo LVMH, importadora Ravin e importadora Interfood. Os vinhos da Catena já são velhos conhecidos da importadora Mistral.


%d bloggers like this: