Posts Tagged ‘spätburgunder’

As novas leis do espumante Sekt

27 de Novembro de 2019

Sekt sempre foi sinônimo de espumante alemão sem nenhuma garantia de qualidade. Uvas diversas, procedências diversas, métodos de elaboração diversos, faziam deste espumante uma verdadeira incógnita em termos de qualidade. Era preciso conhecer bem os bons produtores que evidentemente tinham melhores critérios para elabora-los. Parece até um contrassenso dizer isso quando falamos do povo alemão, super organizado e muito criterioso, haja vista, sua legislação vinícola de um modo geral, bastante detalhista.

O fato é que o alemão sempre tomou muito Sekt, chegando ao consumo de cinco garrafas por habitante/ano. Só os três maiores grupos produtores de Sekt, elaboravam mais de 500 milhões de garrafas por ano. Vê-se que os alemães neste quesito não estavam muito preocupados com a qualidade.

No entanto, parece que a coisa está mudando, pois o consumo também já não é o mesmo. Segundo as últimas regulamentações, a lei para os Sekts ficou mais detalhada, separando o joio do trigo.

Como a lei alemão influencia muito a lei austríaca, falaremos das duas legislações conforme esquema abaixo.

sekt alemanha e austria

semelhança nas leis alemãs e austríacas 

Alemanha

Seguindo  o esquema acima da parte direita, começamos com a expressão Sekt. Aqui você está em terreno perigoso. As uvas nem sempre são alemães, o método geralmente é Charmat, e a qualidade é traduzida em preços baixos. Salvo exceções, fujam desta faixa de espumante.

Subindo um degrau da pirâmide, temos o termo German Sekt. A única garantia aqui é que as uvas são alemães, mas a qualidade é ainda muito incerta. Geralmente temos a uva Muller-Thurgau, absolutamente neutra, e o processo provável é o método Charmat. Novamente, bons exemplares são exceções.

sekt bardong

dados de um ótimo produtor

Na foto acima, Sekt bA, uva Riesling, região Rheingau, dosagem Brut, número de análise do espumante (A.P.Nr), vintage 2007. O termo Klassische Flaschengärung quer dizer Método Tradicional. Este espumante ficou 36 meses sur lies antes do dégorgement. Por isso, só foi analizado em 2011. Veja que o último número da análise refere-se ao ano 11. O Rheingau faz ótimos Sekts.

Finalmente um degrau acima, e temos um termo mais seguro, Sekt b.A., ou seja, vinhos de qualidade com a famosa numeração de análise, geralmente no contrarrótulo. As uvas procedem das treze regiões clássicas alemães e o método é quase sempre o método tradicional, o equivalente da espumatização em garrafa. Muitas vezes, vem escrito no rótulo o nome da uva ou uvas. Podemos já considerar um porto seguro.

Finalmente, a designação Winzersekt, uma expressão que quer dizer espumante elaborado pela propriedade. Aqui temos alta qualidade, geralmente com as uvas Riesling, embora outras uvas nobres como Chardonnay e Pinot Noir, possam fazer parte do blend. O método é exclusivamente Tradicional, elaborado na própria garrafa. Sempre um porto seguro.

sekt austria

a escala de qualidade

Áustria 

Assim como na lei alemã, a designação Sekt não é garantia de qualidade. Segue os mesmos riscos da designação alemã com uvas podendo ser provenientes fora da Áustria. 

Semelhante ao modelo alemão, o termo Austrian Sekt só garante que as uvas são austríacas. O método de elaboração é o Charmat, sem nenhuma garantia de qualidade. O conhecimento do produtor é de suma importância.

Subindo na escala, o termo Klassic sugere um espumante datado onde o contato mínimo com as leveduras é de nove meses. As uvas são austríacas e o método pode ser Charmat ou de Transferência (um método tradicional que evita o remuage). Aqui já temos boa qualidade sem necessariamente complexidade.

Um degrau acima, o termo Reserve. É um espumante datado com um mínimo de dezoito meses sur lies, antes do dégorgement. Portanto, método tradicional com uvas austríacas. O espumante neste caso deve ser Brut, Extra-Brut ou Brut Nature. Nível de qualidade bastante confiável. 

O topo da pirâmide traz o termo Grosse Reserve. Neste caso, o espumante deve ser vintage e deve ter no mínimo trinta meses de contato sur lies. O método é o tradicional com a dosagem restrita em Brut, Extra-Brut ou Brut Nature. Deve também ser designando o Village correspondente ao vinhedo. Algo similiar em Champagne com as designações Premier Cru ou Grand Cru. Produto bastante confiável.

sekt alemãouva Riesling e procedência Rheingau

Na foto acima, uma garrafa antiga de Sekt alemão com informações importantes. Vem da nobre região do Rheingau, a uva é Riesling, a dosagem é Brut, e o método é Charmat. A uva Riesling sempre dá credibilidade ao Sekt.

Sekt alemão

Alemanha: uvas permitas e graus de dosagem

A semelhança das leis alemãs e austríacas é muito grande. A diferença básica está nas uvas permitidas, onde as autóctones de cada país faz a individualidade. Gruner Veltliner é a uva branca mais emblemática da Áustria, enquanto a Riesling é a mais nobre uva alemã.

sekt austria uvas

Áustria: uvas permitidas e graus de dosagem

Em termos globais, Sekt continua sendo um dos quatro espumantes mais produzidos e consumidos no mundo. Segundo dados de 2018, temos: 600 milhões de garrafas de Prosecco produzidos, 370 milhões para o Sekt, 315 milhões para Champagne, e 216 milhões para o Cava. Haja Borbulhas!

Markus Molitor: Rieslings do Mosel

15 de Janeiro de 2016

Sempre é bom falar de vinho alemão. São vinhos pouco divulgados e os brancos estão entre os melhores do mundo, sobretudo quando falamos de Riesling, a mais temperamental das uvas brancas. É como se fosse a Pinot Noir para os tintos, difícil de cultivar fora de seu terroir original. Entretanto, a Alemanha domina como ninguém os atalhos para elaborar Rieslings de qualidade com extrema regularidade. É o caso do produtor acima, Markus Molitor, não encontrado ainda nas importadoras brasileiras.

Localizado no chamado médio Mosel, também conhecido como Bernkastel, Markus Molitor trabalha com quinze vinhedos distribuídos em torno da cidade de Bernkastel-Kues, sede da vinícola. Aqui estamos falando basicamente de Riesling de alta qualidade, com vinhas pré-filoxera, algumas com mais de cem anos, solo pedregoso de ardósia e encostas extremamente inclinadas, proporcionando ótima insolação e excelente drenagem. Esses fatores inspiram o lema abaixo de Markus Molitor.

80% Inclination – 94% Riesling – 100% Passion

A topografia do terreno e o solo pedregoso lembram muito o Douro, um dos vinhedos mais lindos de Portugal e responsável pelo insuperável Vinho do Porto. Além da Riesling, Markus Molitor faz pequenas quantidades de vinho com Pinot Noir e Pinot Blanc. Completando o lema, não existe terroir sem paixão. A seguir veremos mais alguns detalhes que fazem a diferença no produtor final.

forte inclinação das encostas

O cuidado com os vinhedos é constante ao longo de todo ano, especialmente na época da colheita. Não há pressa na coleta das uvas onde normalmente se faz várias passagens. É importante o grau de maturação ideal para que todos os componentes como açúcar, acidez e minerais estejam em perfeito equilíbrio.

Segundo Markus, o solo de ardósia além de excelente drenagem, é responsável pela típica mineralidade de seus Rieslings. Fatores como alta densidade de vinhedo e baixo rendimentos enfatizam ainda mais a pureza e força de seus vinhos.

Os vinhedos são compostos por terroirs famosos na legislação alemã como Bernkasteler, Brauneberger, Graacher, Zeltinger, entre outros. O vinho abaixo por exemplo, provado pelo nosso “Marcos” (grande amigo), é um Riesling colhido tardiamente com uvas botrytisadas. O vinhedo vem de Zeltinger com especificação de Sonnenhur. É como se na Borgonha tomássemos um Meursault (Zeltinger) do vinhedo Perrières (Sonnenhur). O grande trunfo deste vinho é seu alto teor de acidez a despeito da enorme quantidade de açúcar residual, promovendo um equilíbrio fantástico, além de longa persistência aromática. Com um típico Apfelstrudel fica divino. Complementando, a safra de 1995 foi excelente com vinhos de longa guarda.

markus molitor

safra 1995: 20 anos de esplendor

Já na vinícola, não há pressa na vinificação e amadurecimento dos vinhos. Só são utilizadas leveduras naturais, as quais fermentam muito lentamente e proporcionam um caráter particular aos vinhos. Além disso, ajudam a obter baixos níveis de álcool no processo de vinificação. O amadurecimento dá-se em toneis de carvalho com mil, dois mil e três mil litros de madeira inerte, apenas para provocar lentamente a chamada micro-oxigenação.

cápsulas: código de cores

No engarrafamento, há um código para a cor das cápsulas. Os chamados vinhos secos (dry) para padrões alemães exibem cápsulas brancas. Já os chamados vinhos off-dry exibem cápsulas verdes-cinzas e por fim, os vinhos doces exibem cápsulas douradas.

Em resumo, Markus Molitor elabora Rieslings de alta qualidade, especialmente os doces. Seu Pinot Noir (Spätburgunder em alemão) com um fundo terroso é outra especialidade. O produtor foi premiado recentemente como Winemaker do ano 2014 pela crítica alemã. Algum de seus vinhos obtiveram 100 pontos de Parker, além de tantos outros com notas altíssimas. Boa dica para sua próxima viagem ao exterior.

Sekt Sparkling Wine

10 de Fevereiro de 2014

Um dos destaques da vinicultura alemã é a maciça produção de vinhos espumantes denominados Sekt. Dentre os cinco maiores grupos de espumantes no mundo, três são alemães, juntamente com os poderosos LVMH (França) e Freixenet (Espanha). O trio de ferro é formado pelas empresas  Henkell & Söhnlein Sektkekkereien (detêm 37% do mercado alemão de espumantes), Rotkäppchen-Mumm Sektkellereien (20% do mercado), e Sektkellereie Scholss Wachenheim (20% do mercado). Nos anos 90 a produção alemã chegou a passar de quinhentos milhões de garrafas por ano, perfazendo um consumo per capita de mais de cinco litros, conforme tabela abaixo:

Atualmente consumo per capita de 3,9 litros

A definição de Sekt é baseada numa espumatização de qualidade. Já os espumantes gaseificados artificialmente são denominados Schaumwein. Mais de noventa por cento da produção de Sekt é elaborada pelo método Charmat ou método de tanque. Uma minoria passa pelo método tradicional, com a tomada de espuma na própria garrafa. Também a grande maioria do Sekt produzido na Alemanha parte de vinhos-base de outros países, notadamente a Itália, Espanha e França. Os Sekts de origem alemã, portanto mais autênticos, são denominados Deutscher Sekt. Os mais categorizados partem das uvas Riesling, Pinot Blanc, Pinot Gris e Pinot Noir.

O nome Sekt vem do latim Siccus (seco ou dry) e foi adotado na Alemanha no século XIX devido à proibição do termo champagne fora de sua região de origem na França. Aliás, originalmente a grafia era com C e não com K (Sect). Como os padrões de vinho alemão são quase inteiramente idênticos na Áustria, existem também Sekts austríacos.

O chamado Deutscher Sekt com uvas de origem alemã podem exprimir características diversas, conforme a composição das uvas. Por exemplo, a Riesling fornece acidez e longevidade ao espumante, a Silvaner é relativamente neutra, a Weissburgunder (Pinot Blanc) fornece corpo e um certo toque floral, a Gewürztraminer fornece bouquet muito pronunciado, e a Spätburgunder (Pinot Noir) é utilizada na elaboração dos rosés.

Rheingau: região confiável para Sekts de qualidade

Atualmente no Brasil, a importadora Decanter (www.decanter.com.br) apresenta uma bela seleção de vinhos alemães, paixão de seu proprietário Adolar Hermann. Dentre os vinhos, há um bom exemplar de Sekt: Franz Künstler (produtor do Rheingau) com um Sekt Brut somente com a uva Riesling.


%d bloggers like this: