Posts Tagged ‘cote beaune’

Borgonha: Parte VII

12 de Abril de 2012

Caminhando no sentido sul da Côte de Beaune, após explorarmos a montanha de Corton, vamos nos fixar em dois belos tintos deste climat, Volnay e Pommard. Como dois vinhedos tão próximos, podem gerar vinhos absolutamente distintos. O primeiro, Volnay, é o mais emblemático exemplo de delicadeza em que a Pinot Noir é capaz de se transformar, enquanto o segundo, Pommard, mostra toda a virilidade e caráter masculino desta mesma uva.

O solo tem papel fundamental nesta interpretação, mostrando que a presença marcante de calcário em Volnay torna a Pinot Noir extremamente delicada e feminina. Já em Pommard, o marga assume proporções de argila mais acentuadas, aliadas à importante presença de óxido de ferro, tornando seus vinhos mais encorpados e com cores mais marcantes. É a magia e lógica deste grande terroir.

Para fazer a prova, escolha um grande Volnay do produtor Montille (www.mistral.com.br) e Pommard do produtor Comte Armand (www.premiumwines.com.br). Dois belos vinhos em interpretações distintas e surpreendentes.

Côte de Beaune: Brancos importantes

No prolongamento de Volnay começa o terroir de Meursault. Aqui começamos a falar de brancos sérios, coisa de gente grande. Os importantes afloramentos de calcário começam a dominar o marga, sem a pedregosidade mais evidente de Volnay. Meursault não consegue ter toda a sutileza de Puligny, comuna que falaremos na sequência, mas sua densidade, sua textura e sua riqueza de aromas, impressionam à primeira vista. Ainda aqui, não há um Grand Cru, mas Premiers de grande destaque sobretudo, Les Perrières. Produtores como Roulot, Michel Bouzerau e J-M Boillot são altamente confiáveis. Já produtores do quilate de Coche-Dury e Comtes Lafon são irrepreensíveis e de preços proibitivos. Jean-Marc Boillot  e Michel Bouzerau são trazido pela importadora Cellar (www.cellar-af.com.br). Outro belo produtor de Meursault é Patrick Javillier trazido pela Premium Wines (www.premiumwines.com.br).

Lafon: a perfeição em Meursault

Próximo post: Se há o paraíso de vinhos brancos na terra, qualquer palavra com o sufixo Montrachet é sua porta de entrada.

Borgonha: Parte VI

9 de Abril de 2012

Retomando nossa viagem pela Borgonha, trataremos agora da parte sul da Côte d´Or, a famosa Côte de Beaune com seus brancos de tirar o fôlego. Evidentemente, estamos falando em Chardonnay no mais alto nível, principalmente nas comunas mágicas de Chassagne-Montrachet e Puligny-Montrachet. Antes porém, conforme foto e mapa abaixos, começaremos por dois Grands Crus da montanha de Corton, extremo norte da Côte de Beaune; o grande branco Corton-Charlemagne e o único Grand Cru tinto Corton.

La

 

Esta montanha sintetiza a lógica do terroir borgonhês

Esta proeza deve-se ao fato de bem próximo ao cume da montanha rodeando o bosque, termos na composição do solo, importantes afloramentos de calcário, fator crucial para o plantio da Chardonnay. Já no meio da encosta, o marga assume maiores proporções de argila favorecendo então, o plantio da Pinot Noir. Neste contexto, temos o único tinto Grand Cru da Côte de Beaune que envelhece muito bem em garrafa. Quando novo, mostra-se fechado e com taninos firmes.

Voltando ao vinho branco, Corton-Charlemagne é um dos mais espetaculares Grands Crus, podendo envelhecer por décadas. É um vinho misterioso em sua juventude, com aromas sutis e marcante mineralidade. Bonneau du Martray é um produtor estupendo, trazido atualmente pela importadora Mistral. Contudo, nem tente tomá-lo jovem. É um criminoso infanticídio. Outro belo exemplar da Mistral é do produtor e comerciante Louis Jadot.

Bem próximo a Aloxe-Corton, na redondeza dos vinhedos acima citados, encontra-se a comuna de Savigny-lès-Beaune com tintos delicados, elegantes e bem equilibrados. Evoluem bem em garrafa, com toques intrigantes de caça. Costumam encontrar seu apogeu entre quatro e seis anos de safra. Procure por um bom Premier Cru de produtores como Simon Bize (importadora Mistral) e Chandon de Briailles (importadora Grand Cru).

Importadora Mistral – www.mistral.com.br

Importadora Grand Cru- www.grandcru.com.br

Borgonha: Parte II

5 de Março de 2012

Neste post vamos começar a falar do filé mignon da Borgonha, a sub-região chamada Côte d´Or, com vinhos sublimes, polêmicos, caros, apaixonantes, decepcionantes, misteriosos, e tantos outros adjetivos surpreendentes. Vamos ter alguns capítulos só neste pedacinho de terra, pois engloba nomes reverenciados em todo o mundo: Chambertin, Vosne-Romanée, Chambolle-Musigny, Montrachet, Corton-Charlemagne, só para ficar em alguns.

Podemos dizer que neste terreno encontra-se o berço espiritual da Pinot Noir (Côte de Nuits) e da Chardonnay (Côte de Beaune). Dito isto, estão devidamente apresentadas outras duas sub-regiões da Côte d´Or: Côte de Nuis ao norte, e Côte de Beaune ao sul, conforme mapa abaixo:

Todos os Grands Crus estão nesta área

Grand Cru é a classificação máxima nas apelações da Borgonha e todos eles estão concentrados neste trecho de terreno, sendo a única exceção a região de Chablis, comentada em post anterior. Outra observação pelo mapa é que todos os tintos Grand Cru estão na Côte de Nuits e todos os brancos Grand Cru estão na Côte de Beaune. O único tinto Grand Cru da Côte de Beaune é o famoso Corton.

As condições de terroir são perfeitas nesta região quanto ao clima, insolação, altitude e principalmente a composição do solo, fator determinante para o plantio de Chardonnay ou Pinot Noir.

O produtor, a localização do vinhedo, e a filosofia de trabalho em áreas específicas são os principais fatores para separarmos o joio do trigo. Borgonha sobretudo neste trecho, é terra de especialistas, e cada comuna tem seus segredos.

Normalmente, o nome das principais comunas desta área está ligado ao seu vinho mais famoso. Por exemplo; Gevrey-Chambertin, Chambolle-Musigny, Chassagne-Montrachet, Vosne-Romanée e assim por diante. Sempre o segundo nome agregado ao Village é o grande vinho da comuna.

A pirâmide de classificação das apelações da Borgonha e suas respectivas porcentagens em termos de produção encontra-se num post já publicado: A Borgonha em números.

Próximo post, Côte de Nuits e seus grandes tintos.


%d bloggers like this: