Posts Tagged ‘marinera’

Harmonização: Paella e Vinho

18 de Maio de 2010

Paella Valenciana: inspiração para as demais

Neste blog existe um post antigo sobre paella que será deletado a partir de agora, pois era apenas um teste visual para o início de Vinho Sem Segredo. Peço também permissão ao meu amigo Juan, da importadora de vinhos espanhóis Peninsula, para discorrer sobre o tema.

Paella hoje em dia é muito mais uma técnica de cozimento do arroz com ingredientes dos mais variados tipos, do que propriamente uma prato de origem espanhola nascido nas proximidades de Valencia. Nesta elaboração, o arroz absorve os aromas e temperos de determinados ingredientes dando origem a uma nova paella, de acordo com a criatividade de cada um.

Evidentemente, existem algumas paellas clássicas como a marinera (peixes e frutos do mar), mixta (mescla frutos do mar com carnes diversas, inclusive embutidos)  e a original valenciana (ilustrada acima). A origem do prato é camponesa, onde trabalhadores juntavam na preparação do arroz (a região de Valencia é célebre pelos arrozais), verduras, carnes diversas, inclusive caças, especiarias e temperos como o açafrão.

Com relação à harmonização, a paella, assim como os risotos e massas, pedem um vinho de corpo médio. Entretanto, tudo pode mudar de acordo com os ingredientes e concentração de sabor dada pelo caldo de cozimento.

Paellas com predomínio ou exclusivamente elaboradas com frutos do mar, tenderão para um branco fresco, de boa acidez, com aromas cítricos e minerais. Pode ser um Verdejo de Rueda, um Sauvignon Blanc do Novo Mundo sem madeira ou um Albariño Dom Pedro de Souto Maior (importadora Peninsula – www.peninsula1.com).  Aqueles que preferem um espumante, por que não um cava Juvé y Camps também da Peninsula. Apresenta corpo adequado, prolongada permanência com as leveduras e boa persistência aromática, capazes de enfrentar mariscos e outros frutos de mar com sabores pronunciados.

Num outro extremo, quando lidamos com paellas de caças, carnes de maior personalidade, podemos pensar em tintos de boa estrutura, mas sem exageros. Nada de blockbusters do Novo Mundo. Castaño Collecion com predomínio de Monastrell (uva Mourvèdre para os franceses) da região de Yecla e Finca Allende, Tempranillo da Rioja Alta, são ótimas opções. Ambos os tintos, da importadora Peninsula.

Paellas entre estes dois extremos, devem ser estudadas caso a caso, mas os rosés de Navarra podem ser lembrados, além dos espumantes rosés, inclusive cavas com a uva Monastrell.

Enfim, as opções são bastante variadas, conforme os ingredientes da receita. A escolha pelos espanhóis é sempre mais adequada, além de podermos provar vinhos de uvas e regiões pouco conhecidas. Como já citei anteriormente, Don Juan da Peninsula pode aconselhar outras dicas de espanhóis exclusivos e quem sabe com uma boa conversa, fazer uma paella sob encomenda, na qual ele é mestre também.

 


%d bloggers like this: