Posts Tagged ‘riserva’

Marsala: Estilos e Denominações

23 de Setembro de 2013

Embora seja um vinho praticamente esquecido nos dias de hoje, o Marsala é o mais famoso e emblemático fortificado da Itália. Sua fama deteriorou-se devido à utilização do mesmo na cozinha para várias receitas clássicas. Somado a isto, as falsificações e imitações completaram um cenário até certo ponto injusto,  pois os grandes Marsalas têm tradição e qualidade. A foto abaixo mostra a melhor denominação do Marsala, em sua versão Vergine.

Vergine: o Marsala imaculado

Deixando de lado a história deste vinho, criado no século dezoito, seu território situa-se na ilha da Sicília, sul da Itália, mais precisamente no extremo oeste da ilha onde localiza-se a cidade de Trapani. A denominação de origem controlada (DOC) pressupõe as uvas nativas brancas (Catarratto, Grillo, Inzolia ou Ansonica, e Damaschino) e tintas (Nerello Mascalese, Nero d´Avola ou Calabrese, e Pignatello ou Perricone).

Começando pelo Marsala Vergine, o mais reputado dentre todos os tipos, é sempre seco e elaborado somente com as uvas brancas permitidas. Em sua elaboração só é permitida a adição de aguardente vínica depois de todo o vinho-base ter sido fermentado. Portanto, seu sabor é sempre seco, com grande frescor (acidez) e envelhecido em botti (tonéis grandes) por pelo menos cinco anos. Na versão Vergine Riserva ou Stravecchio, o vinho permanece pelo menos dez anos em madeira. Aliás o envelhecimento em madeira para os Marsalas obedece o mesmo processo do sistema “Solera” em Jerez, ou seja, o vinho mais jovem é colocado na fileira mais alta das Criaderas, após ser sacado para a fileira imediatamente abaixo, e assim sucessivamente  até chegar na última fileira junto ao solo (Solera). Maiores detalhes, consultar tema sobre Jerez em vários artigos neste mesmo blog.

Os demais tipos de Marsala, inferiores ao supremo Marsala Vergine, apresentam denominações mais complicadas devido a seu processo de elaboração, como veremos a seguir. Primeiramente, é preciso definir os termos “Mosto Cotto” e “Mistella”. Mosto Cotto nada mais é que o mosto de uvas rico em açúcares aquecido ou fervido com o objetivo de transmitir cor e aromas ao vinho. Já a Mistella ou Sifone é o mosto de uvas rico em açúcares com adição de aguardente vínica, fornecendo doçura ao vinho. Tanto um como outro são adicionados aos demais Marsalas maculando o vinho, deixando de ser virgem. Posto esses conceitos, vamos aos demais termos mencionados nos rótulos das garrafas. 

Os principais termos nos rótulos acima

Os termos Oro, Ambra e Rubino referem-se à cor do vinho. No termo Oro, não há adição de mosto cotto, somente mistella, proporcionando uma cor menos carregada e mais viva. Já o termo Ambra, pressupõe a adição do mesmo, gerando uma cor mais acentuada. No termo Rubino, não há adição de mosto cotto, pois a predominância das uvas é tinta, sendo permitido no máximo 30% de uvas brancas. Na prática, funciona mais ou menos como o termo Ruby para os vinhos do Porto.

Outro conjunto de termos referem-se à quantidade de açúcar presente no vinho. São eles: Secco, Semisecco e Dolce. Conforme a porcentagem e a concentração de Mistella, teremos açúcares residuais até 40 gramas por litro para o termo Secco. De 40 a 100 gramas por litro para o termo Semisecco. E finalmente, acima de 100 gramas por litro para o termo Dolce.

Termos: Ambra, Superiore e Dolce

Por úlitmo, os termos referentes ao envelhecimento em madeira, tais como, Fine, Superiore e Superiore Riserva. O termo Fine subentende-se envelhecimento em madeira por pelo menos um ano. Já o termo Superiore, um afinamento de pelo menos dois anos em madeira. Finalmente, o termo Superiore Riserva pressupõe um envelhecimento de pelos menos quatro anos.

Maiores informações e detalhes sobre o Marsala, favor consultar o site oficial denominado Consorzio pella Tutela del Vino Marsala DOC (www.consorziovinomarsala.it).

Nova DOCG: Aglianico del Vulture

29 de Agosto de 2010

 

Rótulo de destaque na importadora Decanter

Mais uma região italiana estreia na categoria DOCG (Denominazione di Origine Controllata e Garantita), a Basilicata. Situada no sul da Itália, tem uma área relativamente pequena, encravada entre a Calábria e a Puglia.

A grande uva tinta da região é a Aglianico, de origem grega, muito cultivada também na Campânia, sob outra DOCG famosa, denominada Taurasi.

A DOC Aglianico del Vulture foi criada em 1971 e agora em agosto de 2010 passa a ser DOCG para as categorias Aglianico del Vulture Superiore e Aglianico del Vulture Superiore Riserva. O termo Superiore nesta denominação exige um grau alcoólico mínimo de 13,5º (treze graus e meio). Já o termo Riserva exige que o vinho só pode ser comercializado após o quinto ano em relação à respectiva safra, sendo um amadurecimento mínimo de 24 meses em madeira, além de um mínimo de mais 24 meses em garrafa.

O Aglianico del Vulture Superiore não Riserva só pode ser comercializado após o terceiro ano em relação à sua respectiva safra, sendo um mínimo de 12 meses em madeira, além de um mínimo de 12 meses em garrafa.

Quaisquer dos casos a uva deve ser 100% Aglianico. Portanto, do exposto acima, só teremos o selo DOCG nas garrafas a partir de 2013 para a versão Superiore, e a partir de 2015 para a versão Superiore Riserva.

Para quem quiser sentir a força desses vinhos sulinos, o rótulo acima é uma bela referência(www.decanter.com.br). Vinho de boa coloração, lágrimas presentes e numerosas. Os aromas evocam grande concentração de frutas, especiarias e ervas, além de um fundo resinoso proveniente da madeira. Normalmente, são vinhos encorpados, macios, embora tenham um bom suporte de acidez. Pode acompanhar muito bem uma bela perna de cabrito, guarnecida com batatas assadas e douradas conjuntamente.


%d bloggers like this: