Posts Tagged ‘granbussia 2001’

Retrospectiva 2021

17 de Dezembro de 2021

O ano de 2021 está chegando ao fim e 2022 vem aí, esperemos que não seja mais um ano da marmota. Muitas novidades chegaram ao mercado brasileiro e chegarão ainda mais a partir de janeiro, com destaque a estrelas piemontesas, como Burlotto e Roagna, assim como borgonhas raros, casos dos brancos de Coche Dury.

Chegou a hora de fazermos uma seleção daquilo que chamou a atenção das papilas gustativas. Vamos à lista sem nenhuma pretensão:

Restaurante: Lobozó. A pandemia foi cruel com muitos restaurantes e bares. Alguns fecharam as portas. Outros conseguiram se manter, mas na média geral as porções ficaram menores, ingredientes nobres perderam espaço e a conta ficou ainda mais salgada. No meio de muita areia em um amplo deserto, há alguns oásis, um deles é o Lobozó, na Vila Madalena, comida brasileira com gosto, preço e qualidade em um ambiente despojado. Dos arrozes ao frango recheado, passando pelo frango frito de entrada, tudo tem sabor.

Vinho do ano: Granbussia 2001. Poderi Aldo Conterno faz alguns dos melhores vinhos do planeta vitis, molda nebbiolos que mesclam longevidade, potência e elegância, uma rara combinação. Mescla de 70% de Romirasco, 15% de Cicala e 15% de Collonello, Granbussia é o topo da cadeia da vinícola, que, depois da morte do patriarca em 2012, é comandada pelos três filhos: Giacomo, Roberto e Franco. Os três não perderam o rumo, mantiveram a busca pela excelência, expressa em um número: a família poderia produzir mais de 200 mil garrafas, mas eles, num ano bom, produzem 80 mil garrafas. Esse Granbussia 2001 é um vinho que começa a deixar a adolescência, tem ainda fruta vibrante e um leve toque floral, com um fundo de sous bois que ainda ganhará com o envelhecimento toques nobres de trufas brancas.

Novidades:Novidade de borbulhas:

Uma das melhores novidades que chegaram ao Brasil nesse ano foram as champagnes Barrat Masson pela @uvavinhos. Essa aqui tem 70% de chardonnay e 30% de pinot noir, aromas de manteiga, maçã verde, mineralidade sempre presente. Gastronômico, profundo, delicioso. Na pré-venda são pechinchas.

A segunda novidade vem do terroir mais procurado pelos conhecedores. Vinhos brancos da Bourgogne estão cada vez mais caros. Nos próximos anos, se o bolso continuar o mesmo, será importante ficar de olho em regiões menos badaladas, como a Côte Chalonaise. Ali existem muitos ótimos terroirs, como Rully, que nas mãos de Dureuil Janthial faz grandes vinhos. Vêm pela @claretsbrasil

Qualidade preço

A Wines4U tem um dos mais caprichados portfólios do mercado brasileiro, com vinhos muito bem selecionados e com ótimo preço. Uma dica preciosa são os beaujolais do Domaine Chermette, três estrelas na revista de vinhos da França e um dos preferidos de John Gilman. O Trois Roches é uma beleza, duro é aguentar e separar uma garrafa para envelhecer, tamanho o prazer que ele proporciona hoje. Na mesma wines4U, palmas para os albarinos de Rias Baixas de Alberto Nanclares, ambos gastronômicos e instigantes.

Encontrar bourgognes tintos de bom preço é difícil. Maranges é um terroir pouco badalado, mas as mãos habilidosas dos irmãos Chevrot poderão torná-lo um domaine baladado como o de Sylvain Pataille em Marsannay. Maranges fica ao sul de Beaune. Seus tintos são muito mais reputados que os brancos. Nas palavras de Clive Coates, produzem-se ali vinhos “honestos, robustos e rústicos, no melhor sentido”. Pablo e Vincent Chevrot são o principal nome desse terroir. Sur le Chêne é um dos vinhedos que têm ganho atenção da crítica francesa e inglesa. Vêm pela Anima Vinum.

Vinhos italianos são uma bela opção quando o assunto é enogastronomia, eles crescem com comida. A Italy Import tem trazido algumas ótimas opções. Destaco duas delas. Uma é o Chianti Classico 2018 de Riecine, que mostra toda a versatilidade e elegância da sangiovese, parceiro perfeito de pastas al sugo. Na mesma Italy Import, destaque-se o barbera de principiano ferdinando, uma barbera festiva, com acidez intensa, que faz salivar e pensar no molho de macarrão que o acompanhará. O produtor faz ainda caprichados barolos.


%d bloggers like this: